sábado, outubro 13, 2007

TROPA DE ELITE


Pensei diversas vezes sobre se comentava ou não o Tropa de Elite. A Veja oposicionista dedicou a capa e cinco ou seis páginas ao filme, a Carta Capital governista dedicou a capa e matéria interna, o Diogo Mainardi comentou, o Reinaldo Azevedo comentou, um cara da Carta Maior comentou em nome do Emir Sader e até o Olavo de Carvalho saiu de sua pose de ultra direita filosófica para comentar o filme. Por sinal, por incrivel que possa parecer, o comentário do Olavo de Carvalho é o melhor. Então resta pouca coisa a dizer a não ser que o Cineman recebeu a informação de cocheira que Jack Bauer está insistindo junto ao CTI para contratarem o Capitão Nascimento para o seu lugar devido aos problemas que ele vem enfrentando com o outro Jack, o Daniels.
Quem viu, e foi muita gente, gostou. A esquerda folclórica e o BOPE não gostaram. Então parece que o filme não tem lado. Ele mostra bandido como bandido, policia corrupto como policia corrupto, policia violento e torturador como policia violento e torturador. O diferente foi talvez fazer um filme que mostra um pouco mais a realidade sem tentar apenas vitimizar o bandido. Agora, na mensagem tem o emissor e o receptor, e tem o ambiente, o contexto. Quem visse este filme lá pelos anos 60 e 70 (é só uma hipótese porque o filme certamente seria censurado) ficaria absolutamente revoltado com a barbárie das cenas de tortura que são ali apresentadas claramente. Hoje, com a revolta de todos contra esta bandidagem que anda por ai, o saquinho de plástico na cabeça do bandido passa a ser encarado como equipamento aceitável na luta contra a criminalidade. Barbárie pura. Mas a raiva com a incapacidade do governo, e nossa, de resolver este problema é tanta que um absurdo destes é aplaudido no cinema. Outra coisa que o filme saiu fora do politicamente correto foi mostrar que existem ONGs que não são tão boazinhas assim. Coisa, aliás, que todo mundo já sabe. Para estar no morro e auxiliar o pessoal que realmente precisa, precisam conviver com o traficante, e dai é um passo para aceitar e defender o traficante e talvez algo mais. É a mesma história que a policia comum. Como esta policia tem um contato direto com os traficantes é um passo para a corrupção. As armas e drogas chegam no morro, as vezes, pela mão da policia. Isto é mostrado em Tropa de Elite e é mostrado também num documentário sensacional, sobre o mesmo tema, que vocês não podem deixar de ver, Favela Rising. Aquele documentário americano feito em Vigário Geral que fala sobre o movimento Afro Reggae. Eu falei antes que o filme era isento. Tem uma coisa em que ele assume claramente uma posição - na responsabilização do consumidor de drogas. E leia-se ai ricos e classe média-alta. Mas voltemos a corrupção (no Brasil a gente sempre volta a corrupção). Agora estão pretendendo criar no pais uma espécie de policia comunitária. É o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania. Estes policiais não vão portar armas e vão andar de bicicleta. Na Cidade Baixa este tipo de policiamente é bem vindo mas nas bocas de fumo e de crack? Só muita ingenuidade para acreditar que estes caras não vão ser presa fácil e não estou falando literalmente. A qualidade maior do BOPE é não ser corrupto e esta qualidade existe justamente pelo distanciamento dos traficantes. O BOPE é chamado só para o Search and Destroy.
Uma última coisa, e esta para os nossos cineastas. Escutem o público. Se querem fazer filmes sem depender da grana da viúva escutem o recado que o público está mandando. O mundo mudou, o Brasil mudou.

4 comentários:

Buggyman disse...

O filme chegou em um momento que não poderia ser mais oportuno. Não se pode negar que o filme é catártico para a população que está sendo pressionada pela bandidagem (incluindo a oficial) e isso pode explicar a ovação à tortura. Agora, convenhamos a tortura do Bope é coisa infantil, perto do que a que a bandidagem inflinge (no filme). É provável que a Guarda Suíça (a do Papa) seja a única no mundo que não use métodos "alternativos" para conseguir alguma coisa. Nos seriados Law & Order, há tortura psicológica direto e até algumas porradas de vez em quando. Jack Bauer é bem mais violento que o Capitão Nascimento...

Buggyman disse...

Cara, aquele filmezinho do YT é horroroso!!! :-)

CINEMAN disse...

Tem razão, é horroroso. Já retirei.

CINEMAN disse...

Buggyman, estou lembrando outro filme catártico no qual a platéia dava gargalhadas no cinema - Jango. Tinha uma entrevista com um daqueles coronéis linha dura que era de dar barrigadas. Infelizamente Jango não saiu em DVD e uma das poucas cópias em VHS que existiam, a minha, está muito ruim.