quarta-feira, maio 14, 2014

PARA QUEM GOSTA DE QUADRINHOS

QUADRINHOS DIGITAIS from nede lande vaz da silva on Vimeo.

sábado, maio 03, 2014

quarta-feira, março 19, 2014

TREINAMENTO USANDO FILMES

Esta é uma postagem antiga mas que vale a pena ver de novo.
Uma das coisas que temos sempre me interessou foi a identificação de filmes que possam ser utilizados como ferramenta de ensino. O filme, se bem utilizado, pode ser um elemento maravilhoso para transmitir uma idéia ou um conhecimento. A primeira vez que assisti este uso foi há bastante tempo, digamos anos setenta, onde em um treinamento de liderança (era a febre da época) foi utilizado o filme - Águias em Chamas (Twelve O´Clock High). É um filme de guerra, com Gregory Peck, que mostrava todos os tipos de liderança abordados pelo treinamento. A teoria deles baseava-se no peso relativo que o lider atribuia ao binômio tarefa/relacionamento. Eles criaram então os quatro quadrantes da liderança que apresento a seguir.

T

A

R

E

F

A

QUADRANTE I

RELACIONAMENTO BAIXO

TAREFA ALTO

QUADRANTE II

RELACIONAMENTO ALTO

TAREFA ALTA

QUADRANTE IV

RELACIONAMENTO BAIXO

TAREFA BAIXO

QUADRANTE III

RELACIONAMENTO ALTO

TAREFA BAIXO


R E L A C I O N A M E N T O


O quadro apresenta um vetor representando a tarefa e outro o relacionamento. Conforme se move para a direita ou para cima aumenta a intensidade do fator. Assim, por exemplo, no quadrante I nós temos um relacionamento baixo e uma tarefa alta. Este é o quadrante típico do sargento. A ordem é dada sem nenhuma preocupação com o que pensa o soldado ou o empregado. Faça isto e pronto. Já no Quadrante IV temos uma situação de alto comando. Baixa tarefa e baixo relacionamento. O presidente da empresa dá a ordem genérica e o administrador é que vai achar a forma de realiza-la e normalmente sem necessidade de construir nenhum relacionamento pessoal entre eles.
Em Aguias Em Chamas estas situações todas vão aparecendo aos poucos. O filme, dirigido por Henry King, apresenta o um grupo de aviadores americanos sediados em Archbury na Inglaterra em 1942. O batalhão é comandado pelo Coronel Davemport (Gary Merrill) que não vem tendo sucesso em suas missões. O relacionamento comandante/comandados é muito bom. Davemport é aceito e respeitado por todos seus comandados. Pelo nosso quadro acima está sendo praticado o Quadrante III, alto relacionamento e baixa tarefa. O comandante em chefe substitui Davemport pelo General Frank Savage (Gregory Peck), que chega e impõe linha durissima, muito diferente do que ocorria até então. Disciplina, trabalho duro e muito treinamento. Olhem lá no quadro -Quadrante I - Foco na tarefa, relacionamento zero. Os oficiais e aviadores reagem mas Frank Savage mantem sua linha de conduta. O resultado das missões começa a melhorar.
Além de ser um tratado sobre liderança quando se falava muito pouco nisto - o filme é de 1949 - Aguias em Chamas é um excelente filme.
Mas o objetivo desta postagem não é comentar o filme. O objetivo é deixar aqui a sugestão para que vocês utilizem o blog para sugerir filmes que possam ser utilizados em treinamentos, apresentar as experiências de vocês e possibilitar o inicio de um processo de troca que tenho certeza será muito rico.
Voltaremos ainda com este assunto.
Até a próxima postagem

Neste pedacinho de filme que vocês vão ver a seguir é claramente apresentada uma das teses do treinamento. O bom lider identifica a situação e passa a praticar o tipo de liderança requerido. Davemport está viajando no banco da frente do carro junto com seu sargento. Eles param, ele desce sozinho, amistosamente oferece um cigarro ao sargento, acende o cigarro do sargento, dá uma poucas tragadas no seu e diz "- Ok. Sargent". O sargento entende a ordem. Sai do carro, coisa que ele não havia feito antes, e abre a porta de tras, não mais a da frente, para Davemport. Davemport passou para o quadrante I. Vejam a sequência, mesmo estando sem legenda, é absolutamente clara.

sexta-feira, dezembro 20, 2013

DICAS DO TURISTA ACIDENTAL

Antes de iniciar sua viagem, o Auditor procurou o Turista Acidental e apresentou seu plano de vôo.

 - Turista, my friend, quais são tuas dicas?
O Turista Acidental olhou o plano, pensou um pouco..
- Algumas coisas interessantes no teu roteiro. Primeira parada no Raabe em Pantano Grande. Vai no pastel de queijo. O de carne é bom, mas o de queijo não tem igual. Em Alegrete, fica no hotel Caverá. Na suite tem até Jacuzzi. Preço bom. Depois de uma estrada nada melhor, não é?
Concordei com ele.
- Depois de toda esta estrada é melhor não fazer aquele churrasco tradicional. Lanchinho na Padaria Rosariense. Pertinho do hotel e muito boa.
- E em Barra do Quarai, que hotel?
- Nem pensar. Atravessa direto para Bella Union. Tem o único hotel razoável. Bella Union. Bom atendimento, boa cama, bom café. Uma quadra de uma das principais lojas do Free Shop.
- Tem Free Shop lá?
- É novo. Com algumas das lojas que encontras em Rivera, mas com algumas locais muito interessantes. A fronteira é mais chata porque tem uma ponte, mas os caras estão sempre dormindo, pelo menos no meio da semana. E para comer, defronte o rio, no parque das três fronteiras. Vale a vista. 
- Na volta vou ficar em Rosário, tem algum local razoável para ficar. 
- Tem um hotel muito bom. O Ibicui. Vais gostar. Bom preço, bom atendimento e os quartos reformados estão muito bons. Aproveita que é uma das paisagens mais bonitas do estado.

terça-feira, novembro 19, 2013

RAYLAN

Nas livrarias um livro novo de Elmore Leonard, morto este ano aos 86 anos, e com quase cinquenta livros publicados. Com total merecimento foi considerado pela Newsweek, o maior escritor de crime da América. O livro é Raylan e o personagem é ele mesmo, o Raylan da excelente série da TV americana - Justified. A história do livro já foi apresentada na série e é uma das melhores. O pessoal do plantio da maconha passa a explorar o comércio de órgãos, rins especificamente. A história é muito boa e vale pelo estilo de Elmore, um contista seco, sem muitos floreios, e que faz a gente ler como vendo um filme. Está por R$ 33,00 na Saraiva que foi onde comprei. Não perca a série também que contou durante as primeiras temporadas com a consultoria de Elmore.

terça-feira, outubro 22, 2013

ANTES DE WATCHMEN - COMEDIANTE

A série Antes de Watchmen, que já está na edição n˚ 5, é imperdível para quem gostou de Watchmen, quadrinhos ou filme. Em cada revista é apresentado um dos personagens. A n˚ 5, é Comediante.
Quando li os primeiros quadrinhos do Comediante fiz logo uma relação que vocês já vão entender. Tinha acabado de ler na VEJA o quid pro quo do Roberto Carlos, que não quer que ninguém saiba que ele tem uma perna mecânica, Chico Buarque, Caetano, Gil e outros, contando com a adesão mais recente de ninguém menos que José Dirceu,  querendo proibir a publicação das tais biografias não autorizadas.
Pois vamos ao Comediante. Para começar ele é amigo do peito dos irmãos Kennedy e nos primeiros quadrinhos a turma toda está jogando futebol americano no pátio de John. O Comediante vai para a sala onde se encontra com Jacqueline.
Comediante - Idealista? Não mesmo, eu…
Jackie - Você luta contra o crime, certo? Bobby acha que faz isto também
Comediante - Faz mesmo. E é muito mais eficiente do que eu. Eu sou um rosto, ele é..
Jackie - Um rostinho bonito. Assim como o Jack. E você pode até não admitir que adora..
Comediante - Respeito
Jackie - ..os três. Mas eu sei que eles te adoram. "Meus meninos", como você os chamou. Eles são bastante abertos quanto a seus amores… Por exemplo. Aquela piranha drogada e oxigenada…
Comediante - Não conheço. (eheheeh)
Jackie - E mentirosos não ganham pontos. Tenha por mim um tiquinho do respeito que tem por meu marido. Sabia que ela está se engraçando com um gangster, agora…"
Comediante - Giancana
Jackie - É esse o nome dele? Eu não presto atenção. Ele é um criminoso, inimigo do crime?
Comediante - Claro que sim. É mesmo.
Jackie - E aquela puta loira, chapada até a unha do pé.. você sabe como é a língua dela? É solta, não? Eu entendo que você não seja idealista… Mas acho que sabe o que tem de ser feito, Eddie.

No próximo quadrinho o Comediante está de pé ao lado da cama de Marilyn Monroe, morta, com alguns vidros de barbitúricos ao lado. Ele dá um beijo na bunda de Marilyn e vai embora.

Nas três primeiras páginas a história passa por personagens bem mais significativos para os Estados Unidos que os meninos lá de cima para o Brasil, acusa Jackie de encomendar um assassinato, dá a entender que ela era o cérebro do grupo, que os irmãos eram uns galinhas e.. não ouvi falar de ninguém tentando impedir a publicação da revista.
Vamos aguardar dias mais coerentes por aqui.



sábado, setembro 28, 2013

O CAVALO, de Steven James

Steven James escreveu uma série de livros de suspense com o agente do FBI, Patrick Bowers. Os livros levam os nomes das peças de xadrez. O primeiro que li, foi o Peão. Muito bom. Gostei muito mesmo. Em seguida saiu a Torre. Mesmo nível. E agora acabei de ler o Cavalo. Talvez o melhor. Não sei se o Bispo já foi editado em português, enquanto isto comprei na Amazon, por incríveis R$ 5,00 - The Bishop. Já estou começando a ler.

segunda-feira, setembro 16, 2013

O ANALISTA de JOHN KATZEMBACK

Tenho lido alguns livros ultimamente mas nenhum me deu vontade de compartilhar com vocês. Sabe, aquela vontade que a gente tem quando encontra algo realmente muito bom e quer imediatamente dividir com os outros. Aconteceu agora com O Analista, do jornalista e escritor John Katzembach. Na minha já proverbial ignorância eu não conhecia o Sr. Katzembach. Depois é que descobri que já havia visto um filme baseado em um livro seu - A Guerra de Hart, com Bruce Willis e Colin Ferrel. Não foi um filme que eu gostei muito apesar da história ser bem interessante.
O Analista me surpreendeu. É um suspense daqueles de começar a ler e varar a madrugada. Frederick Starks, o personagem principal, é um psicanalista de Nova York, freudiano, que no dia de seu aniversário recebe uma carta - "Feliz aniversário de cinquenta e três anos, doutor. Bem vindo ao primeiro dia de sua morte"
Supostamente o Dr. Starks causou um grande mal para o remetente da carta, e ele quer pagar em dobro. A ameaça é simples, se o Dr Starks não se suicidar em 15 dias, todos os seus parentes irão ser mortos, um de cada vez. Mas Mr. Rumplestiltskin, o misterioso autor da carta, oferece uma alternativa ao Dr. Starks, descobrir quem ele é antes da data fatal. A vida do Dr. Starks vira um inferno. Uma acusação de abuso sexual contra uma cliente, o desaparecimento misterioso de todas as suas aplicações financeiras, cancelamento de cartões, destruição do seu consultório. Inferno na terra. E uma mulher nua - Virgilio, aparece em seu consultório com esta mensagem - Ela como o velho poeta, pretende guiar o Dr. Starks para o inferno.
O livro é da editora Novo Século e numa faixa educada de preços - R$ 39,00. A edição americana é de 2002 mas só foi publicado no Brasil este ano.

quarta-feira, maio 29, 2013

INFERNO, DE DAN BROWN


Terminei de ler Inferno de Dan Brown. Dan Brown volta em grande estilo. Depois da decepção que foi o Simbolo Perdido. A forma ainda é a mesma. Uma equipe de pesquisa lhe fornece os dados com os quais ele vai prendendo nossa atenção. Conhecemos Florença e Veneza como se estivessemos passeando por suas ruas ou seus canais. As referências vão se empilhando uma sobre a outra. Um dos pesquisadores buscou a informação que no filme Fuga no Século XXIII (Logan's Run) a idade limite, para o auto sacrificio, era de 30 anos. No livro de William Nolan, em que se baseou o filme, no entanto, esta idade era de 21 anos. Na época os produtores de Hollywood acharam que o público alvo do cinema, 20 a 30 anos, não gostaria da idéia do suicídio aos 21. Dan Brown não perdeu esta informação e achou um jeito de colocá-la em Inferno. Mas a trama é boa. E a solução encontrada ao final é genial. Dan Brown parece ter evoluido na arte de dar um fim à suas histórias.
Um cientista maluco (ou não), gênio da medicina, conclui que a humanidade está no fim. É um New Malthusiano e um transhumanista. A humanidade está se multiplicando de uma forma que a natureza não conseguirá mais sustentar e não conseguirá usufruir dos benefícios que ainda estão no limiar da ciência. O fim será trágico e em muito pouco tempo. Não consegue convencer ninguém de suas teorias. Quando afirma que a peste negra foi uma resposta da natureza que permitiu a humanidade se recriar, que permitiu o surgimento da Renascença, é taxado de louco. É interessante. Já pensei muito sobre isto. Já brinquei até que a natureza vem encontrando suas formas de defesa, e uma é a proliferação do homossexualismo. Li na Veja desta semana uma reportagem sobre as mulheres que não querem mais ter filhos. Não posso deixar de pensar na Teoria da Conspiração. Que história é esta de achar que o problema é uma possível diminuição da natalidade? Talvez alguns gênios matemáticos já tenham feito seus cálculos e chegado a conclusão que o desastre está próximo. Nada melhor que despreocupar a turma dizendo que o perigo é a diminuição da natalidade enquanto se trabalha numa solução tipo a que o cientista de Dan Brown encontrou.
Leiam. Vale a pena.

sábado, maio 18, 2013

INFERNO DE DAN(TE) BROWN

Chegou nas livrarias da cidade o INFERNO, último livro de Dan Brown. Eu já havia comprado na pré venda da Amazon, na versão digital para nook, a edição brasileira saiu antes. É o que dá não acreditar na eficiência dos editores brasileiros.

domingo, maio 05, 2013

VOCÊS CONHECEM O VINE?

O Vine é um aplicativo interessante com o mesmo conceito minimalista do Twitter. Oferece possibilidades muito interessantes para a criatividade de cada um. Aqui vai um exemplo com um livro super interessante que mora, junto com alguns outros, na minha cabeceira.

terça-feira, abril 16, 2013

sábado, abril 06, 2013

ROGER EBERT

Morreu, aos 70 anos, um dos grandes críticos de cinema e televisão, Roger Ebert, do Chicago Sun Times. Era um crítico diferente dos intelecualóides de plantão, entendia o gosto do povão (povão no sentido americano é claro)
Com uma pequena conversão USA/Brasil, dava para seguir suas críticas.

terça-feira, abril 02, 2013

FOTOGRAFIA DE VIAGENS

Comecei hoje um curso no Projeto Contato muito interessante. Fotografia de viagem com a professora e fotógrafa Maisa del Frari.
A maioria do pessoal viaja, fotografa e depois não sabe o que fazer com as fotos. É muita coisa, ainda mais com o digital, e poucas fotos querem dizer alguma coisa. Mostrar para os outros, nem pensar. Seria reeditar os terríveis shows de slides.
Então, além de boas fotos, é preciso algo mais. E este algo mais é o que pretende dar o curso do Projeto Contato.
Gostei da primeira aula, acho que vou gostar do resto.
Recomendo para quem gosta de fotografia e de viajar. Não custa nada trazer algumas boas lembranças. O link do curso no site do projeto contato é: clique aqui

sábado, março 23, 2013

TRANSFERINDO FOTOS E FILMES DO IPAD

Por incrível que pareça foi difícil descobrir como transferir as fotos que eu havia baixado no Ipad para o meu Imac. É praticamente automática a transferência de fotos e videos, quando são feitos com o próprio Ipad, mas com filmes baixados no Ipad a história é muito diferente. Esra é a razão deste video.

terça-feira, março 19, 2013

COLONIA DEL SACRAMENTO

Visitei Colonia e fiz algumas fotos e videos. Em breve documentário sobre esta incrivel cidade fundada pelos portugueses bem no meio da América Espanhola. Colonia do Sacramento é hoje Patrimônio da Humanidade.

sábado, março 02, 2013

EVENT MANAGER NO FINAL CUT PRO X

Um tutorial sobre o uso de um excelente programa - o Event Manager X. Simplifica bastante a vida do editor de Final Cut Pro X. Assista



Até a próxima postagem

sexta-feira, março 01, 2013

KEY FRAME COM O FINAL CUT PRO X

Mais um tutorial do blog do Cineman. Desta vez sobre o uso do Key Frame. O tutorial está muito simples e mostra como é fácil trabalhar com key frames no Final Cut Pro X.

quarta-feira, janeiro 23, 2013

INFERNO - DAN BROWN

Já está anunciado o lançamento do novo livro de Dan Brown - INFERNO (o título original é inferno mesmo e não Hell). Vamos aguardar e esperar que seja tão bom quanto o Código de Da Vinci e que Lost Symbol tenha sido apenas um acidente de percurso.

quinta-feira, janeiro 03, 2013

O PESADELO - CONTRATO PAGANINI

Acabei de ler O Pesadelo, de Lars Kepler, aliás, do casal sueco escritor, Alexandra e Alexander Andoril. Os dois escreveram um livro que foi absoluto sucesso em todo o mundo, e merecido sucesso, O Hiptnotista. O Pesadelo está no mesmo nível. O personagem principal ainda é o detetive Joona Linna. A literatura policial dos países nórdicos nunca é somente uma história policial. Existe sempre um contexto político. No caso de O Pesadelo, o tema principal é o comércio de armas.
Como em O Hipnotista, as viradas de O Pesadelo, o suspense, é espetacular.
Acho que é melhor não contar nada e apenas dizer que vale a pena ler. Na Saraiva internet está a R$ 25,40. 

quarta-feira, novembro 21, 2012

SLIDE SHOW - TUTORIAL DO FINAL CUT PRO X

Mais um tutorial do Blog do Cineman sobre o uso do Final Cut Pro X. Desta vez resolvemos falar sobre slide show. Acho que vocês vão gostar. Como sempre é dedicado aos editores novatos para que não tenham medo de se jogar numa edição de video (ou de fotos)
Até outro tutorial

segunda-feira, novembro 12, 2012

HEADHUNTERS

Minha mulher quase todo o final de semana retira 3 ou 4 filmes de nossa locadora predileta. Um deles é para mim, ou seja, uma aventura ou um policial para me agradar. Nem sempre ela acerta. Desta vez ela me apareceu com o Headhunters. A capa muito ruim (não é esta ao lado). O diretor eu nunca ouvi falar. Os atores, com exceção do que faz Jaime Lannister em Guerra dos Tronos, também não. Fiquei frio. Assisti meio desatento o inicio do filme. Que lingua é esta? Em seguida descobri que era um filme norueguês e em seguida que era baseado num livro de Jo Nesbo. Voltei ao inicio e passei a prestar atenção. O filme é excelente. Por sorte Headhunters é um livro de Nesbo que eu ainda não li.
O personagem principal, Roger, é um headhunter, um caça talentos para empresas multinacionais. Ele acha que tem um problema muito sério - um metro e sessenta e oito - no meio dos Vikings isto deve ser um sério problema e ser casado com uma linda mulher de um metro e oitenta só aumenta, desculpem, o tamanho do problema. Para sustentar o modo de vida que ele acha que tem que ter para compensar a altura, ele é um ladrão de arte. E um sofisticado ladrão de arte.
Tudo vai bem até que aparece o segundo personagem chave. Um holandês que quer trabalhar na Noruega e que tem um currículo perfeito e contrata nosso headhunter para arrumar-lhe um emprego numa poderosa multinacional de TI.
A partir dai o filme acelera e não tem como não ficar grudado na cadeira até o final.
Vale a pena. Acho que pouca gente conhece este filme. Fica a recomendação.

sábado, novembro 03, 2012

TRÍPTICO - KARIN SLAUGHTER

Preconceito é um negócio ruim. Mas eu tenho. Um deles é não acreditar em livros policiais escritos por mulheres. Que feio, não é? Começou há muito tempo quando confrontei Agatha Crhistie com Ellery Queen. Os primos novaiorquinos ganharam longe da dama inglesa. Claro que gostei muito de um filme do René Clement, Um Sol Por Testemunha, que depois descobri que era baseado em um  livro de Patricia Highsmith. Ripley é a exceção que confirmava a minha regra.
Então foi com muito cuidado que comprei Tríptico de Karin Slaughter. Simplificando. Só parei de ler quando terminou o livro. Karin Slaughter ( que sobrenome para escritor de policiais) é ótima. Apesar de parecer, no inicio do livro, que o personagem principal é o detetive Michael Ormewood aos poucos vamos descobrindo que na realidade é Will Trent. Fui pesquisar. Triptico é o primeiro livro de Miss Slaughter com o detetive Will Trent. É de 2006. Já tem mais seis publicados nos Estados Unidos. Vamos ver se a Record publica os outros logo.
Conheça Karin Slaughter

segunda-feira, outubro 29, 2012

O LEOPARDO (THE LEOPARD) de Jo Nesbo

Terminei de ler - The Leopard - de Jo Nesbo. Setecentos e quarenta páginas de Pocket Book. É o penúltimo livro de Jo Nesbo, quase todos com o policial norueguês Harry Hole.
Desta vez Harry abandonou a policia de Oslo após o caso do Snowman (não li ainda) e foi para Hong Kong. Lá, após se meter em problemas com as Triades está escondido no pior bairro da cidade. Vive como um sem teto. Parece que trocou o álcool, que ele não controla, pelo ópio, que ele pensa controlar.
Mas em Oslo, dois assassinatos levam a crer que mais um serial killer está a solta. Especialidade de Harry. Uma policial é mandada para Hong Kong para encontrar Harry. Claro que ele volta e começa um thriller sensacional. Inúmeras viradas, mais do que o recomendável, que levam até as últimas páginas sem sabermos o que realmente está acontecendo, ou aconteceu.
Para quem lê inglês recomendo o pocket da Vintage Books. Baratinho. Quando for lançado em português, como todos os livros do Nesbo, vai custar lá pelos cinquenta a sessenta reais. O título que eu já antecipo vai ser - O Leopardo.
Até a próxima.

sexta-feira, outubro 19, 2012

COPPER

Estou vendo algumas séries interessantes. Uma que eu gosto muito é Hell on Whells. Um faroeste muito bom. Semelhante a Deadwood. Neste se criava uma cidade. Em Hell on Whells é uma estrada de ferro que está sendo construida. Já está na segunda tempordada. Vale a pena.
Mas eu quero falar mesmo é de outra série, esta de nível superior. Copper. Começa bem e vai ficando cada vez melhor. O último episódio, o número 9, foi espetacular.
A história se passa em Nova York exatamente no período da Guerra de Secessão. Lincoln ainda não foi assassinado mas nós conhecemos três irmãos atores que estão montando uma peça de Shakespeare. Opps, o sobrenome deles é Both. Nova York está bem longe da guerra. A guerra que existe é a da sobrevivência em Five Points. Bairro paupérrimo de Nova York. O cenário reconstituindo a época é excelente.
Sem dúvida um grande programa. Não sei se está passando em algum canal mas a internet está ai para que?

sábado, setembro 22, 2012

EM DEFESA DE JACOB (Defending Jacob)

Outro escritor que eu não conhecia - William Landay. Acabei lendo Em Defesa de Jacob que foi lançado pela Record. É um romance muito interessante. Lembra muito o excelente Acima de Qualquer Suspeita que até deu um filme com Harrison Ford.
A história se passa na cidade de Lincoln, ao lado de Cambridge e Boston. Um garoto de 14 anos é assassinado. O promotor principal da cidade acompanha as primeiras investigações. Um pedófilo conhecido é o primeiro suspeito. Em seguida o promotor é afastado das investigações. O filho dele, também de 14 anos, passa a ser o principal suspeito. Uma impressão digital no sangue da vitima, o testemunho de um colega que o viu com uma faca semelhante a que poderia ter sido utilizada no crime, uma história na internet. A história se concentra na familia, pai, mãe e filho. O pai tem certeza da inocência do filho, a mãe tem suas dúvidas. Em todo o livro, até seu final surpreendente não sabemos realmente o que aconteceu. Ótimo suspense. Vale a pena. Em qualquer livraria. R$ 31,90.

domingo, setembro 16, 2012

O ICLOUD E MEU MAC - PARTE II

Há algum tempo fiz uma reclamação à Apple que não havia previsto a possibilidade de baixar (ou levantar) arquivos para o Icloud a partir do Imac ou Macbook. Esta possibilidade só estava aberta para Ipad e Iphone. Com o Mountain Lion tudo ia ficar na mesma. Qual não foi minha surpresa ao descobrir uma forma de transferir meus documentos em Pages e Keystone para o Icloud a partir do meu Imac. Não encontrei no manual do Mountain Lion e talvez poucos atendentes das lojas da Apple saibam. É simples. Quando mandar salvar o documento e aparecer a opção de onde salvar simplesmente escolha - Icloud, está escondidinho nas opções.

FECHE BEM OS OLHOS

Mais leituras. Estou na página 140 do Feche Bem os Olhos. Até aqui tudo bem, como dizia o cara que caiu do vigésimo andar no momento que passava pelo quinto. O livro é de John Verdon, do qual eu já havia lido, e gostado, Eu Sei o Que Você Está Pensando. Já comentei aqui no blog, lembram? Pois o Feche Bem os Olhos segue no mesmo caminho. Criativo, inteligente, com bastante suspense. O personagem principal é o mesmo do livro anterior, o policial aposentado David Gurney. Um casamento da elite. A noiva se afasta por alguns minutos da festa. É encontrada morta. O corpo sentado frente à uma mesa, onde está sua cabeça. O suspeito é o jardineiro que desapareceu misteriosamente. Será tão simples? Se conheço John Verdon é claro que não. Vamos ver. Me atrevo a recomendar o livro mesmo estando apenas no começo da leitura. Mr. Verdon já lançou seu terceiro livro que deve pintar breve por aqui e, segundo ele, já está colhendo notas para o quarto. Vamos aguardar e até a próxima postagem.

quinta-feira, setembro 13, 2012

SOB ATAQUE

Continuando o tema do post logo abaixo leiam o texto "Whem Things Go Bad" do pessoal da Stratfor, especialistas em segurança que eu já trouxe antes aqui no blog. "When Things Go Bad is republished with permission of Stratfor." O texto é bem mais detalhado e cobre algumas lacunas do video.

CORRA, ESCONDA-SE, LUTE

O título vem de um video de Houston, que recomenda aos cidadãos como reagir à um ataque armado. O video pode parecer meio óbvio mas tem o seu valor. Como as coisas por aqui estão cada vez ficando mais parecidas com as de lá, vale a pena ver o video.

sábado, setembro 08, 2012

LIGHTROOM

Fiz um curso de Lightroom no Projeto Contato. Está valendo a pena. O Lightroom é um programa essencial para quem faz fotografia. Primeiro ele resolve o principal problema para quem faz fotografia digital, ou seja, todo mundo. Organização das fotos. Como não se imprime mais fotos, elas são armazenadas no computador e, junto com outras mil, são impossíveis de achar sem uma procura desgastante. O Lightroom organiza tuas fotos. Mas não é só isto. Ele melhora as fotos. Não faz o trabalho do Photoshop mas, do meu ponto de vista, é muito mais útil. Eu não quero fazer grandes mudanças na foto, quero apenas corrigir a iluminação, alterar um pouco a cor, um corte diferente, enfim pequenas coisas que melhoram consideravelmente a minha foto. Fica a dica. Lightroom e, também, Projeto Contato, uma bela escola de fotografia.

SIMPLESMENTE MORTO - PETER JAMES

Depois de ter sido humilhantemente derrotado pelo Cemitério de Praga de Umberto Eco (não passei da página 50) passei a selecionar bastante os livros que compro. Caras conhecidos que eu gosto. Jo Nesbo, Jeffery Deaver, Michael Connelly e outros do mesmo naipe. Então foi com algum receio que, na falta de livros novos dos citados, comprei Simplesmente Morto de Peter James. Nunca li nada de Peter James e pensei que era um autor novo. A sinopse era interessante apesar de repetir uma história de Stephen King, e as primeira páginas, que sempre leio antes de comprar, prometiam. Depois descobri que Peter James é um veterano escritor inglês, com várias obras publicadas em diversos países, menos no Brasil. Veja o site de Peter James.(o Simplesmente Morto é o Dead Simple de 2005) A história parte de uma idéia interessante e traumática. Uma despedida de solteiro. O noivo tinha uma longa história de brincadeiras pesadas com os amigos em suas festinhas. Eles preparam uma pior. Embebedam o noivo e o enterram. Com direito a caixão, buraco, terra por cima e algumas benesses, um tubo para respirar, uma garrafa de whisky, um walkie talkie e uma lanterna. Seria apenas uma brincadeira muito pesada se todos os quatro amigos não sofressem um acidente de carro e morressem. A policia acha que o noivo apenas fugiu. A noiva está desesperada. A mãe do noivo pior ainda. Entra em cena o detetive Roy Grace, personagem de Peter James, e a história toma um rumo ainda mais inesperado. Já estou na página 300 e está valendo a pena. Agora é só aguardar que publiquem os outros livros de Peter James, só de Roy Grace existem mais cinco ou seis. Ou então começar a procurar os pocket books.

sábado, agosto 11, 2012

O REDENTOR - JO NESBO

Acabei de ler - O Redentor - do escritor norueguês Jo Nesbo. Já falei de outros livros que li deste autor aqui no blog. Eu já havia gostado muito dos dois primeiros que li, mas com o Redentor, Jo Nesbo alcança um estágio mais elaborado. Quem gosta de histórias policiais não pode perder este livro. É sensacional. Por volta de R$ 39,00 na Saraiva e Fnac.

segunda-feira, maio 21, 2012

TUTORIAL FINAL CUT PRO X - CLONAGEM

Na postagem anterior vocês viram um pequeno clip utilizando a técnica de clonagem no Final Cut Pro X. Aqui vai como fazer isto. É muito simples.

domingo, maio 06, 2012

TUTORIAL DO FINAL CUT PRO X - CHROMA KEY

Este novo tutorial do Final Cut Pro X é sobre o uso de chroma key. Foi o que usei para fazer o clip Tapete Voador que está na postagem logo abaixo. É muito fácil e divertido. Até a próxima postagem.

quinta-feira, abril 05, 2012

segunda-feira, março 19, 2012

MOEBIUS

Houve tempo em que as grandes revistas não chegavam a Porto Alegre. Meu banco quase que mensalmente me "obrigava" viajar para Brasilia para contatos no Banco Central. Na época da Varig, custava a mesma coisa eu ir direto para Brasilia ou fazer uma escala técnica/educativa no Rio de Janeiro. Eu fazia a escala. Era só uma noite. Chopp em Copacabana e um passeio numa banca de revistas que ficava quase no Leme. Duas revistas eram o meu alvo. National Lampoom e Heavy Metal. A Heavy Metal era a edição americana da francesa Metal Hurlant. Ali conheci grandes caras dos quadrinhos modernos. O principal deles - Moebius. A Garagem Hermética eu custei para entender. Sabia que tinha alguma coisa genial ali, mas não entrava na minha cabeça, como diz um aluno da minha irmã. Depois saiu uma edição brasileira da Heavy Metal que, infelizmente, durou pouco. Ai eu já conseguia comprar em Porto Alegre. Pois no dia 10 deste mês, Jean Giraud - Moebius partiu desta, quem sabe para seus mundos imaginários. Abaixo uma das últimas aparições de Moebius, em 2010.
Quand Mœbius mettait sa patte sur “Télérama” ! por telerama

terça-feira, fevereiro 28, 2012

A SUCATA DE PELOTAS

Em homenagem ao dono da Sucata, casa noturna que fez sucesso em Pelotas há muito, muito tempo atrás, que fez aniversário neste mês, republico uma postagem do blog.

Final dos anos sessenta. Eu tinha me formado em agronomia e agora tinha os meus dois irmãos seguindo meus passos. O mais velho deles me procura dizendo que queria dar uma guinada na vida, parar os estudos e colocar uma casa noturna em Pelotas. Ninguem estava apoiando a idéia e ele precisava financiamento. Ele foi convincente. Contra a opinião de todos fiz um pequeno empréstimo e surgiu a SUCATA, que durante muito tempo foi a melhor casa noturna de Pelotas. Depois, para a felicidade de nossa mãe, ele voltou para a agronomia e concluiu, com louvor, o curso. Mas exatamente no período que a SUCATA estava funcionando aparece em Pelotas um produtor cinematográfico com um projeto de um filme de ficção cientifica - UM HOMEM TEM QUE SER MORTO. Na realidade o cenário futurista era um disfarce do produtor/diretor para poder levar avante sua critica ao regime ditatorial. A cidade passou a viver o filme. No tempo das cabeleiras, cabeças raspadas começaram a fazer parte da paisagem. Eram os extras de Um Homem tem que Ser Morto. A SUCATA foi escolhida como um dos cenários e um cenário que não tinha nada a ver com ela - os porões da ditadura. Ali eram torturados os dissidentes do governo totalitarista. Como estavamos em plena ditadura claro que o filme não pode ir muito longe. Nem o Davide Quintans, o produtor/diretor que eu falei lá em cima, tem uma cópia do Um Homem Tem que ser Morto. Eu conheci o Quintans muito tempo depois quando ele apareceu no banco de desenvolvimento que eu trabalhava para financiar um outro filme - Meu Doce Vampiro - que acabou não passando do roteiro. Ontem, depois de muito tempo, encontrei o Quintans e ele, além de me prometer fotos das filmagens na SUCATA que ele havia resgatado, me falou de seu novo filme - A ILHA DOS ESCRAVOS. A ILHA DOS ESCRAVOS é uma coprodução de Espanha, Portugal, Cabo Verde e Brasil. Quintans é o co-produtor do lado do Brasil. O filme ainda não foi lançado e tem Zezé Mota e Milton Gonçalves entre os atores brasileiros. O Diretor é o português Francisco Manso, de quem nós já vimos o muito bom - O Testamento do Senhor Nepomusceno. O cenário brasileiro foi em Alagoas, na cidade de Marechal Deodoro. Mas poderia ter sido no Rio Grande do Sul. Foi a primeira alternativa trabalhada pelo Quintans, que há muito tempo se adotou como Porto Alegrense. Eles queriam só apoio logístico. Nem isto conseguiram, parece que aqui é pecado apoiar alguém que não faça parte daquela panelinha que vocês conhecem. É uma espécie esquisita de reserva de mercado que independe do partido que estiver no poder. Eu não entendo. Acho que ninguém entende.
Até a próxima postagem
Fotos da filmagem de Um Homem Tem que Morrer na SUCATA


terça-feira, fevereiro 21, 2012

NETO DE PEIXE..

A netinha do Cineman, 8 anos, incomodou até que ele resolveu ensina-la a usar o Final Cut para fazer edição de filmes. Ela queria editar um filme que a mãe dela fez de um dos gatos da familia, o velho e gordo Thomas. Thomas é um gato que na juventude praticava esportes radicais. Uma vez se jogou do sexto andar (ou sétimo) sem asa delta nem paraglider. Vôo livre mesmo. O resultado foram alguns apliques de titânio. Depois do susto ele se acomodou, passou a ver os filmes do Garfield, e adotou a nova filosofia. Voltemos ao filme. Começamos a edição. Ela entendeu logo, logo, a lógica do software. Selecionou os cortes, escolheu a transição para aplicar entre as cenas (eu tentei explicar que tinha que ser uma transição mais suave, mas ela optou por uma transição radical), escolheu a música tema, título e créditos finais. O resultado ficou ótimo para um primeiro trabalho.

sábado, fevereiro 04, 2012

PIRATE LATITUDES - MICHAEL CRICHTON

Acabei de ler Pirate Latitudes, último livro escrito por Michael Crichton, morto em novembro de 2008. O livro foi publicado nos Estados Unidos em 2009, portanto uma edição póstuma. Em 2011 ainda foi publicado mais outra obra de Crichton - Micro - mas que teve que ser finalizada por Richard Preston.
Pirate Latitudes é um livro de piratas. Para mim que passei minha juventude lendo Sandokan e Capitão Blod, Pirate Latitudes foi um achado.
A história se passa na Jamaica, em 1665, uma perdida colônia inglesa no meio dos espanhóis.
O Capitão Charles Hunter é um pirata, a maioria dos marinheiros que moram na capital da ilha, Port Royal, também são piratas, mas como pirataria é crime, eles chamam suas ações de privateering. Que em última análise é pirataria com alguma boa desculpa.
E o governador, representante do Rei da Inglaterra, também participa destas atividades. A participação normalmente é através do financiamento das expedições. O pagamento é uma parcela pesada da colheita, a parcela do Rei, que acaba sendo a parcela do governador.
A história começa com a informação obtida pelo governador que um navio espanhol está num porto espanhol perto de Port Royal. Um navio solitário, num porto do Caribe, naquela época do ano, só tem um significado. É um navio cheio de riquezas que não conseguiu acompanhar o resto da frota.
Um trabalho para o Capitão Charles Hunter. Dai em diante se desenrola a história que, como todas as de Crichton, tem a agilidade que já faz esperar um filme. Parece que Spielberg já está trabalhando no assunto.
Se vocês estão com saudades de um bom, melhor, de um ótimo livro de piratas, que não fica devendo nada à Salgari, leiam o Pirate Latitudes.
Na Saraiva, R$ 25,00.

sexta-feira, fevereiro 03, 2012

O ICLOUD E MEU IMAC

Como todos vocês, recebi uma propaganda do iCloud que me chamou a atenção. Que produto maravilhoso. Inscrevi-me imediatamente no iCloud, atualizei o sistema operacional do meu Imac e do meu MacBook para o Lion 10.7.2 e comecei a colocar meus documentos nas nuvens. Quer dizer... tentei colocar meus documentos no iCloud. Segui minuciosamente todas as instruções do site da Apple - Nada aconteceu.
Comprei uma revista - macmais - que tinha um artigo com um tutorial extremamente detalhado para implantar o sistema. Podia ter poupado os R$ 14,90 da revista. Não funcionou.
Visitei a Fnac. O pessoal da Apple foi muito solicito. Tentamos juntos incluir um documento do Pages no iCloud. Nada. O funcionário ficou de procurar informações. Aproveitei que estava no Barra e fui no iPlace. O funcionário foi muito prestativo. Sem problemas. Funciona muito bem. Vamos fazer um passo a passo, então, disse eu. Fomos para o passo a passo. Não funcionou. O funcionário ficou muito decepcionado. E eu já mais ou menos conformado. Dias depois fui ao Iguatemi. Tentei a outra loja do iPlace. Sem problemas, o sistema é muito bom. Fomos para o passo a passo e, vocês já sabem, nada.
Não desisti. Liguei para o 0800 da Apple. Atendimento nota 10. O sistema iCloud funciona muito bem. Em qualquer computador com o Lion ou nos tablets e iPhone com IOS 5. Vamos para o passo a passo, disse eu. Melhor, respondeu ele, vou entrar no seu computador e acompanhar o processo. Maravilha. Chegou na hora de colocar um documento. Surprise. Não funcionou de novo. Foi formado uma junta técnica no 0800. Após alguns minutos recebi a informação final. - Não é possível colocar nenhum documento no iCloud, utilizando o iMac ou o MacBook. Só os equipamentos que tem IOS 5, podem encaminhar documentos para o iCloud.
Só que ninguém sabe isto nas revendedoras. As revistas especializadas não sabem. E o próprio site da Apple, esconde esta informação (porque eu acredito que eles sabem)
Tudo bem. Vou ter que me conformar com as limitações de meus equipamentos mas é um absurdo que a Apple não tenha previsto em seu novo sistema operacional - o Lion - a possibilidade dos usuários colocarem seus documentos no iCloud. E é exatamente onde os usuários tem a maior parte dos seus documentos. Nos equipamentos que tem capacidade de armazenagem.
Bom, ninguém é perfeito. Mas convenhamos...

quarta-feira, janeiro 25, 2012

INFORMAÇÃO PRIVILEGIADA - ABRIL 2008


Esta postagem é de 2008 e acho ela legal. Como esta trocando o presidente da Petrobrás, vale o repique.


INFORMAÇÃO PRIVILEGIADA
Todas as segundas feiras me encontro com dois amigos de infância/juventude. Nestas reuniões os assuntos são política atual e reminiscências. A melhor parte são as reminiscências. Recordar é viver (..eu ontem pensei em você). Na política a conversa é só no lado ameno e ai surgem idéias interessantes. Uma possível dobradinha para a prefeitura - Manoela para prefeita e Nelson Proença para vice. Pobre Marx. Uma campanha de doação de equipamentos de informática para Cuba. Nada muito sofisticado para não prejudicar a abertura gradual proposta pelo mano Raul. A sugestão aprovada para a campanha foi se recolher os CP 400, MSX, Commodore 64 e TK 80 que por milagre ainda funcionem e, para não esquecer a gurizada cubana, alguns Ataris 64. Aliás, do jeito que a política anda na América Latina nada melhor do que passar-lhe algumas gargalhadas a volta. Mas nas reminiscências descobri uma coisa interessante apesar de, depois de descoberta, bastante óbvia. A reunião com amigos antigos traz para a memória coisas absolutamente esquecidas. A famosa associação de idéias, no caso, associação de lembranças. É muito divertido. (Claro que só lembramos as coisas boas). Uma coisa que lembrei e que estava absolutamente esquecida foi o Crush premiado. Crush era um refrigerante com sabor de laranja que, para nos enganar, continha pedacinhos de gomo de laranja. Nós eramos meio patetas mesmo e achavamos que era natural. E tinha o Crush premiado. Quando se tinha sorte, debaixo da cortiça da tampinha da garrafa (sim as tampinhas tinham cortiça) vinha o esperado "Tome outro Crush grátis". Mas a fábrica queria manter um padrão de 1 ou 2 garrafas premiadas por engradado e bolou um sistema para identificar as tampinhas premiadas. O design da tampinha era um bonequinho de braços abertos dentro de um triângulo. Na tampinha premiada um dos braços do bonequinho saia para fora do triângulo. Eu descobri isto depois de muita investigação e a partir dai tomei muito Crush grátis. Quando lembrei isto no grupo de amigos foi uma surpresa, nenhum deles conhecia o truque. Então vi que com 15 anos eu já tinha descoberto os principios da Informação Privilegiada. Mais ou menos a mesma coisa que um diretor da Petrobrás tem antes de anunciar a descoberta de um grande poço de petróleo. Eu intuitivamente sabia que meus amigos eram meus principais concorrentes na busca das tampinhas premiadas e, mais importante, intuia que se o truque se tornasse público a fábrica do Crush iria alterar o procedimento e eu perderia os meus Crushs grátis.
Até a próxima postagem

FORUM SOCIAL E LYSENKO

Uma foto de ZH  do Forum Social Temático (?), onde um jovem segura um cartaz de protesto contra os "beneficios" aos ruralistas, me trouxe a esta postagem de julho de 2007. Talvez tenha pouca coisa a ver, mas estas referências à agricultura "capitalista"sempre me trazem a memória o grande teórico soviético, Trofim  Lysenko. Se a turma dos cartazes lesse um pouco teríamos algumas camisetas com o Grande Lysenko.

LYSENKO, TRUFFAUT, RATINHOS E RAPOSAS (Julho,2007)
Algumas postagens atrás falamos do czar da biologia soviética, Trofim Lysenko. Se vocês lembram foi o cara que tentou subordinar a agricultura aos principios do marxismo. Nada muito diferente do que alguns andam propagando hoje embora ninguém mais se atreva a dizer que plantando milho, em determinadas circunstâncias, vamos produzir trigo. Vou pedir para vocês lembrarem, também, um grande filme de Truffaut - Fahrenheit 451. O nome do filme originado da temperatura em que o papel entra em combustão. Vocês certamente lembram que existia um corpo de bombeiros especializado em localizar livros e queimá-los. No final do filme, absolutamente genial, vemos um grande grupo de pessoas, escondidas numa floresta, recitando os grandes livros da humanidade. Cada um é um livro.
Pois não é que na Russia de Stalin aconteceu algo semelhante. Enquanto Lysenko facilitava a ida para os Gulags da Sibéria de qualquer um que não achasse que Mendel era um completo imbecil, no meio da própria Sibéria, Dmitry Belyaev, em segredo, tal qual os livros humanos de Truffaut, continuava suas experiências genéticas com animais. Um amigo meu me passou um artigo muito interessante de Duda Teixeira, na revista Veja - Rato Bom e Rato Malvado - que trata exatamente deste trabalho de Dmitry Belyaev.  O assunto: Domesticação dos animais. A teoria comumente aceita é de que o homem foi o principal ator, dominando e confinando os animais que o interessavam. As experiências de Dmitry mostram outro caminho. Alguns animais se aproximaram dos homens e a convivência de inúmeras gerações levou aos animais domésticos de hoje. Dmitry trabalhou com ratos separando aqueles que aceitavam melhor a presença do homem. Fazia o cruzamento entre os menos arredios e nas sucessivas gerações continuou fazendo exatamente a mesma operação. Em 15 anos, 60 gerações, ele conseguiu ratinhos que adoravam receber um carinho como qualquer gatinho de estimação. Com raposas, estas certamente fazendo juz ao nome, em apenas 8 gerações ele transformou animais ariscos em afáveis raposinhas que abanavam o rabo mal Dmitry entrava no laboratório. Puro Mendel. A teoria por tras do trabalho de Dmitry é que a domesticação pode ocorrer muito rapidamente (o caso das raposas) e que existe uma base genética comum a muitos, se não a todos os animais domesticados. Dmitry não podia realmente se arriscar. Sua pesquisa ia contra os principios basilares da ciência agrícola soviética. Só agora me dou conta de que a teoria anterior que nós compramos até agora era puro Lysenko. Sem colocar a ocorrência de uma base genética o que aceitavamos é que - comportamentos adquiridos podiam ser transmitidos para outras gerações. A única excessão que me ocorre é a de um outro tipo de raposa, bem nossa conhecida, que mesmo sem ter necessariamente uma base genética, transmitem de geração em geração, este comportamento vergonhoso que estamos vendo todos os dias no congresso nacional.

DA SÉRIE - NETOS

Mais um neto do Cineman mostrando suas qualidades.

domingo, janeiro 15, 2012

OS SUPER HERÓIS DE SALT LAKE CITY

Em Pelotas existe uma praça no centro da cidade que, nos anos cinqüenta/sessenta era o grande ponto de encontro da gurizada. Nos domingos de noite ficavamos indo e vindo numa organizada pista de duas mãos. Meninos e meninas. No carnaval a praça era área proibida. Um outro povo tomava conta de nosso espaço. Gente que vinha da periferia e que, ao invés de tomar Pepsi Cola (Pelotas era o único lugar em que a Pepsi dava banho na Coca) comia melancia para se hidratar. Tinham bancas na volta da praça que vendiam a fruta e o resultado, com aquele povo não muito afeito às regras de higiene, era o que se pode imaginar. Mas no resto do ano a praça era nossa.
Num mês qualquer de um verão qualquer surgiram.. OS TARADOS.
Até hoje não sei o que foi aquilo. Mas em cada canto tinha um tarado. As meninas, maravilhosas e ingênuas, sentavam nos bancos da praça e, de repente, ali estava o tarado. Alguns metros adiante, outro grupo de meninas, outro tarado.
Resolvemos acabar com aquilo.
A ação que projetamos era muito simples. Uma barreira de cinco ou seis guris bem na frente do tarado. Mas bem na frente mesmo, no máximo um ou dois metros. Nunca houve uma reação agressiva. O cara simplesmente encerrava as atividades e ia embora. Depois a barreira se deslocava para o próximo tarado. Mesmo resultado. Alguns minutos de barreira e o cara desmontava a barraca e levantava acampamento. Em um mês acabamos com os tarados da praça Pedro Osório e desfrutamos, durante algum tempo, a fama de heróis perante as menininhas. Pouco tempo porque, como logo descobrimos, a fama é passageira.
Lembrei disto ao ler a reportagem da Veja sobre os super heróis de Salt Lake City. Pesquisei mais e cheguei a este video do NYT no MSN.
<a href='http://video.br.msn.com/?mkt=pt-br&amp;vid=0d78fc50-30c9-31eb-a79b-e37f8382c0d5&amp;from=pt-br_fblike&amp;src=v5:embed::uuids' target='_new' title='Os Super-Heróis De Salt Lake City'>Vídeo: Os Super-Heróis De Salt Lake City</a>

Os caras são muito loucos. Mas de uma maneira ou de outra, acabam fazendo a sua parte para dar mais segurança as ruas. Em boa parte porque alguns simplesmente trocaram de lado. Pesquisei um pouco mais e cheguei à um incrível site de registro de super heróis. Veja aqui.
A coisa é organizada e pelo nome do site, World Super Hero Registry, tem abrangência mundial. Não leva dois meses, se tanto, para encontramos alguns nomes de super heróis brasileiros. Pensando bem acho até que apresentariamos nosso pedido de inscrição se houvesse um clube semelhante naquela época. A SUPER BARREIRA ou algo parecido.
Até outra.

sexta-feira, janeiro 13, 2012

50 ANOS DE SPY VS SPY

A MAD brasileira n˚ 42, traz uma homenagem aos cinqüenta anos de Spy vs Spy. Como vocês sabem, em 1961, Antonio Prohias levava a primeira tira dos espiões para o editor da MAD. 
Em 2011 os editores da MAD produziram uma série de bonequinhos Spy descoloridos e entregaram a um grupo seleto de cartunistas, artistas de quadrinhos, designers de brinquedos e várias outras criaturas similares. O resultado foi sensacional e está apresentado na revista num magnifico pôster duplo. Se não quiserem comprar a revista, que está ótima, veja o resultado no blog da MAD - aqui

sábado, dezembro 31, 2011

THE HYPNOTIST

Prometi um comentário após concluir O HIPNOTISTA. Gostei muito. O casal sueco sabe escrever uma história de suspense. O livro jamais perde o pique. O final, onde muitos bons autores (Dan Brown) as vezes se perdem, é também muito bom.
Lá pelos idos de 50 e 60 a hipnose era moda. Hipnotizadores promoviam espetáculos onde membros da platéia subiam para o palco e faziam coisas muito ridículas. Eu jamais me atrevi a ir num show destes. Mas li muito. O melhor livro é de um português - Manoel Oliveira. Raridade em sebos. Depois o hipnotismo passou a ser usado principalmente por dentistas como substituto da anestesia. Funcionava. Depois desapareceu. Ninguém fala mais em hipnose.
Dai a minha rejeição inicial ao livro, o qual só fui ler um ou dois meses depois de vê-lo pela primeira vez.
A história começa com um policial sueco, Joona Linna, que investiga um terrível assassinato. Uma família inteira foi dizimada. E como. O pai foi assassinado num ginásio. Esquartejado. Braço arrancado, pedaços do corpo jogados por todo lado. Na casa a mulher, filha e filho, igualmente mortos e despedaçados. Mas ai vem a primeira surpresa. O filho de 15 anos, apesar de ter recebido mais de cem facadas, não morreu. Mas está em estado de choque. Não lembra nada. O casal morto tinha outra filha que ninguém sabe onde está. O detetive Linna imagina que o assassino pode estar atras da filha também. Como descobrir onde ela está? Neste momento Linna tem a idéia de utilizar a hipnose para tirar alguma coisa do garoto em estado de choque. O maior nome em hipnose na Suécia é Dr. Erik Maria Bark. O Dr. Bark abandonou a hipnose há muito tempo por razões que vão sendo apresentadas aos poucos no livro. Dr. Bark a principio recusa mas depois é convencido pelos argumentos do policial Linna.
A partir dai é impossível deixar o livro de lado.  A cada capítulo uma virada.
"Joona se desculpou. Várias vezes. Depois, sobretudo para ser educado, perguntou o que havia acontecido em Tumba.
Lillemor descreveu a cena que Erland Björkander relatara: poças e trilhas de sangue, vestígios sangrentos de mãos e pés, corpos e pedaços de corpos, facas e talheres jogados no chão da cozinha. Contou que Anders Ek, que ela supunha ter sido morto.... O assassino começara a cortar o corpo em pedaços; uma faca de caça e um braço arrancado haviam sido encontrados nos chuveiros do vestiário."
Isto na página 25, depois fica pior.
Até a próxima postagem
ENTREVISTA COM LARS KEPLER

FELIZ 2012

O Cineman deseja a todos que o novo ano traga muita felicidade.

sábado, dezembro 24, 2011

THE WALKER



Esta é uma postagem antiga de um filme que eu gostei muito e com lembranças da juventude do Cineman.
THE WALKER
O Cineman quando jovem custou a comprender o sucesso que alguns rapazes tinham junto as meninas da alta sociedade pelotense. Eram guris que a gente não convidava para jogar futebol mas, para nossa inveja, viviam cercados pelas nossas musas. No último filme que foi lançado em DVD do diretor e roteirista Paul Schrader, o personagem central me lembrou aqueles alegres rapazes. O nome do filme em ingles - The Walker - define os homens que prestam o serviço de acompanhante das mulheres da alta sociedade na ausência de seus maridos. O termo começou a ser usado para o permanente acompanhante de Nancy Reagan nas constantes ausências do presidente. Não existe sexo envolvido. É só companhia. E neste contexto são óbvias as vantagens de um acompanhante gay. The Walker tem muito de um dos primeiros filmes de Schrader, O Gigolô Americano, com Richard Gere. Os dois personagens são homens solitários que se beneficiam da companhia de mulheres mais velhas. No Gigolô existe sexo e dinheiro envolvido. No Walker, só companhia. O personagem de The Walker é Carter Page III (Woody Harrelson numa interpretação magnífica). Carter Page acompanha principalmente três damas do meio político de Washington D.C.. Ele organiza semanalmente um jogo de canastra onde todas participam e atualizam as fofocas. Carter é de tanta confiança que acompanha uma delas nas escapadas para encontrar o amante que é um conhecido lobista. Um dia a dama retorna rapidamente do encontro e muito assustada - seu amante foi assassinado. Ela é esposa de um senador. Ela não pode aparecer. Carter assume a situação e se apresenta como a pessoa que encontrou o cadáver e acaba se transformando no principal suspeito. A policia como não tem provas forja algumas contra Carter. Carter mantem a história. Ele não vai entregar sua amiga. Mas a situação se complica cada vez mais quando Carter e seu jovem namorado turco começam a investigar o crime. É um crime passional ou é um crime político? Personagens misteriosos vão surgindo a medida que o filme avança e a situação de Carter se deteriora. É um filme noir clássico. Requintado, sem violência, ou pelo menos, muito pouca. Um trabalho muito bom de Woody Harrelson. Para a velha geração tem ainda Lauren Bacall, bem velhinha mas ainda muito charmosa. Recomendo com segurança.
Até a próxima postagem.




quinta-feira, dezembro 22, 2011

O HIPNOTISTA - THE HYPNOTIST


Num dos meus últimos passeios pelas livrarias encontrei O Hipnotista. Apesar de correta achei a tradução estranha pois o termo mais conhecido é hipnotizador.  Acho que o tradutor foi influenciado pelo título inglês. O escritor, ou melhor, os escritores, são suecos. Um casal sueco. Marido e mulher para ficar bem claro. Ambos Alexandres. Alexander Ahndoril e Alexandra Coelho Ahndoril. O Coelho se explica porque Alexandra é filha de mãe portuguesa. Usam o pseudônimo Lars Kepler.
Esta turma dos países frios é excelente na literatura policial.
Estou na página 200 e não dá para parar. Já vou voltar. Pode ser que acabe decepcionando, mas não parece. Deve ser interessante um casal escrever um livro juntos. E um livro policial mais interessante ainda. Como são tomadas as decisões? Como é feita a divisão de trabalho? As cenas eróticas (poucas mas existem) quem conduz? E as cenas de violência?
Em destaque em todas as livrarias. Preço ao redor de R$ 50,00

sexta-feira, dezembro 16, 2011

INTERPRETANDO UN CUENTO CHINO


Antes da Redentora, após assistir um filme europeu, era obrigatória a reunião em um café ou confeitaria, onde, candidatos à intelectuais, mantinhamos enormes elucubrações sobre as verdadeiras intenções do diretor. Fellini era um prato saboroso. Lembro que quando passou Dolce Vita mergulhamos em debates aprofundados sobre diversas partes do filme, entre elas o peixe que aparece morto na praia, na cena final. Sempre tinha alguém que tinha ouvido alguma coisa de um crítico ou de um outro grupo e isto tirava um pouco da criatividade. O peixe, segundo a versão mais aceita, significava a soma de todas as religiões que se extinguiam frente à devassidão do mundo. Mais tarde vi um artigo do Fellini dizendo que ele se divertia muito com todas estas interpretações. O peixe era um peixe. Era uma cena que ele achou bonita de colocar no final do filme. Claro que Fellini estava brincando. A religião e devassidão (solidão) passam por toda Dolce Vita. O cristo no inicio e o peixe no fim do filme não estão ali apenas por razões estéticas.
Então vamos voltar no tempo e vamos supor que Sebastian Borensztein (diretor de Un Cuento Chino) é o nosso Fellini. Bem interessante porque já comparamos Darin à Marcello.
Critica à indústria argentina - Quando Roberto conta os parafusos fabricados e empacotados pela Philips, Industria Argentina, e nota que sempre faltam alguns, é uma clara crítica à industria Argentina.
Critica aos políticos - Na mesma cena quando ele diz que faltar um parafuso ou faltar cem é a mesma coisa - roubo, ele está fazendo uma clara crítica aos políticos que procuram justificar suas ações com quinhentas explicações. É sempre roubo. Assim como não existe uma mulher meia grávida, não existe um político meio corrupto.
Crítica ao comunismo - Quando Roberto visita a embaixada da China, vemos a burocracia e incompetência dos funcionários da embaixada, numa clara crítica ao sistema comunista. A forma que Roberto é expulso da embaixada mostra também o autoritarismo próprio dos regimes ditatoriais.
A nova China - Sebastian de forma sutil procura mostrar a nova China. Ao mesmo tempo que na embaixada vemos a burocracia e o autoritarismo, representando a velha China e o comunismo. Conhecemos Jun, que sem saber falar nada além do Mandarin, se arrisca numa terra estranha, a Argentina, numa clara mostra do empreendedorismo da nova China capitalista.
Crítica à Buenos Aires -  Conheciamos uma Buenos Aires de vida noturna ativa, grandes teatros, restaurantes, bares e cafés. Uma cidade brilhante. A crise econômica colocou Buenos Aires em outra situação. Roberto é obrigado a ir para o aeroporto, com um lanche, ver o movimento dos aviões, passatempo comum à outra cidade insípida, São Paulo.
Guerra das Malvinas - As cenas da guerra são tão mal feitas que procuram mostrar a diferença entre a tecnologia de terceiro mundo - Argentina, frente ao poderio britânico, representante do primeiro mundo.
A Vaca - A melhor de todas. A vaca inicia e termina o filme. Inicio trágico e fim para cima. A vaca sagrada indiana mostrando que não controlamos nada. O sagrado - Deus - determina tudo. A vaca mudou a vida de Jun, matou sua amada mas o mandou para uma aventura de redenção na longínqua Argentina. A vaca desenhada por Jun no muro de Roberto, lhe mostra que ele pode ter sua redenção. E ele entende que isto significa Mari. E daí o final meloso mas excelente de Cuento Chino.

quarta-feira, dezembro 14, 2011

UM CONTO CHINÊS - UN CUENTO CHINO

Domingo passado minha mulher me arrastou para o cinema. Na tela grande eu gosto de ver filmes de ação. Mas, tudo bem, aceitei em ir ver o argentino - Um Conto Chinês.  O cinema argentino, para mim, alcançou aquele nível que o cinema brasileiro anda atrás, ou talvez nem ande. Um Conto Chinês é dos melhores. Ricardo Darin está ótimo. Ricardo deve atuar em, pelo menos, 80% dos bons filmes argentinos. Ele está atingindo uma perfeição no cinema que nenhum dos nossos atores alcançou. É uma espécie de Mastroianni dos Pampas. Tudo bem que ele interprete ele mesmo, que era o que faziam Mastroianni e Bogart, mas faz isto muito bem, com extrema naturalidade.
O filme começa com uma cena de cinema fantástico. Um jovem chinês leva sua namorada para um passeio de barco num pequeno lago. Estamos na China. Quando ele vai mostrar as alianças e fazer a proposta uma vaca cai do céu, e mata a noiva.
Cena seguinte - Buenos Aires, a ferragem de Roberto. Roberto é interpretado por Ricardo Darin. Roberto está contando os parafusos que comprou. Vieram numa caixa de 350. Mas ele conta, parafuso por parafuso. Só tem 328, faltaram 22. Roberto tem um acesso. Já começamos a conhecer Roberto. Na rua ele assiste uma pessoa ser jogada de um carro. Um assalto. Ele corre para socorrer a pessoa caída. É o nosso chinês do inicio da história.
Jun, o chinês, só fala mandarim. Roberto só fala espanhol.
Roberto acaba levando Jun para sua casa. Nenhum entende o outro mas Roberto acaba descobrindo que Jun está atrás de um tio que veio há muito tempo para Buenos Aires.
Importante. Tem a irmã do carteiro, Mari, que está apaixonada por Roberto. Ela veio do interior para tentar conquistar Roberto. É difícil. Roberto não parece dar a mínima. Mas Mari é insistente.
Roberto, entre tantas outras manias, coleciona jornais com histórias incríveis. Ele as dramatiza em seus sonhos acordado tendo ele como personagem. As histórias servem para mostrar que o mundo é um caos e que ele está protegido em sua solidão.
Assim vamos pouco a pouco conhecendo e entendendo Roberto.
Agora a vaca. A vaca inicia e termina o filme. Jun, que era na China um desenhista gráfico, quando sai da casa de Roberto desenha um mural com uma enorme vaca. O desenho dispara um circuito no córtex pré-frontal de Roberto e ele parte em desabalada carreira. Para onde? Por que? Acho que isto merece um fórum para logo depois de vocês verem o filme.
A hora e meia passa fácil. Saimos do cinema de bem com a vida. O que querer mais de um filme?
Na saida passamos na Saraiva. Comprei "Toda A Verdade" de David Baldacci. Mas isto é para outra postagem.

P.S. Na tradução para o português perdemos um pouco da sutileza do título espanhol, pois cuento chino, quer dizer uma mentira, uma lorota.

sábado, dezembro 10, 2011

CINEMAN E REINALDO AZEVEDO

Me deliciei em ver o debate entre Reinaldo Azevedo e Márcio Sotelo Felippe, este defendendo um absurdo publicado pela Associação Juizes pela Democracia - Leia aqui. Me diverti mais ainda ao verificar que o tom do debate seguiu a mesma linha de um debate do Cineman com o diretor de um certo banco de desenvolvimento do Rio Grande do Sul. Veja aqui. Até Schopenhauer, centro do debate do Cineman, é citado. É uma tese que eu tenho. Esta turma deve ter como livro de cabeceira o "Como Vencer um Debate Sem Precisar Ter Razão" do Olavo de Carvalho.

quinta-feira, dezembro 08, 2011

ROADSIDE CROSSES

Está circulando em todos os meios de comunicação uma noticia com um claro viés intimidativo aos blogueiros e blogueiras. Uma colega norte-americana, Crystal Cox, foi processada por um grupo financeiro, daqueles que estão quebrando os Estados Unidos, o Obsidian Finance Group, por publicar um artigo acusando a empresa de movimentações não republicanas, comandadas pelo seu presidente, o honorável Kevin Padrick. Na sua defesa, Crystal alegou que o artigo era de interesse público e que se baseava em informações passadas por um funcionário da empresa que conhecia todo o processo. O problema foi quando Crystal tentou se valer da prerrogativa de jornalista, não revelando sua fonte. O juiz entendeu que blogueiro não é jornalista e que portanto, não pode se valer de prerrogativas que são, neste caso, exclusivas de jornalistas. Como lá as coisas são um pouquinho mais duras do que por aqui, a indenização é de US$ 2,5 milhões. Crystal vai recorrer. Só estou contando esta história porque há algum tempo atras li um livro de Jeffery Deaver - Roadside Crosses - que trata exatamente do mesmo assunto. O livro é um thriller ótimo, como quase todos os livros de Jeffery Deaver, e trata de forma magnifica desta equiparação blogueiro/jornalista tentada pela Crystal. É possível que nosso juiz de Ohio tenha consultado o Roadside Crosses, os argumentos são muito semelhantes. A argumentação do blogueiro, personagem do livro, é muito interessante. Resumindo, o blog era sua empresa, sua fonte de subsistência, se revelasse sua fonte, adeus credibilidade. Ninguém mais poderia lhe confiar uma boa história, tipo esta do Obsidian Finance, ou uma dos nossos ministros. Quem quiser ler o Roadside Crosses, cujo personagem não é o paraplégico Rhyme mas Kathrin Dance, vai ter de recorrer a edição em inglês. Apesar de ter sido publicado em 2009 ainda não apareceu por aqui. A vantagem é que deve estar custando menos de vinte reais na Saraiva, na Cultura ou na FNAC. Uma pequena ironia com relação ao nome da financeira americana. Obsidiana era o material daquela faquinha que os sacerdotes astecas usavam para arrancar os corações dos guerreiros inimigos e das donzelas amigas.

AGROTÓXICOS

Ja que o Cineman deu espaço para o auditor publicar diversas postagens sobre o morango certificado de Atibaia, aqui vai uma reportagem do Globo Rural falando sobre o perigo dos agrotóxicos. Leia aqui

terça-feira, novembro 15, 2011

CINEMAN NO CANAL RURAL OU MELHOR ALTER EGO DO CINEMAN NO CANAL RURAL

AINDA MORANGO CERTIFICADO

Logo, logo vamos voltar aos filmes. Enquanto isto, em seu alter ego agronômico, o Cineman dará uma entrevista no Canal Rural, hoje as 17:00 horas sobre as auditorias feitas em Atibaia e Valinhos para certificação de PI Morango. A matéria traz também, e principalmente, entrevistas com os produtores de morango e suas expectativas com a certificação.

sábado, novembro 05, 2011

MORANGO CERTIFICADO

A certificação de Produção Integrada de Morango garante que estas delicias possam ser comidas sem medo de agrotóxicos e E. coli. O Cineman deu uma folga aos seus posts sobre cinema e que tais, para, em sua outra atividade, realizar as primeiras auditorias de certificação de Produção Integrada de Morango no Brasil. Os produtores são de Atibaia, São Paulo.

quarta-feira, novembro 02, 2011

SPY VS SPY - ENGLISH


My grandson discovered MAD. Today MAD is a typical example of the politically incorrect. I like MAD. I picked up some lost copy. I found a rarity, MAD EXTRA n ˚ 1, 1991. And my favorite - Spy vs. Spy. The collection begins with the first cartoon of Spies presented to Al Feldstein, editor of MAD, by its creator, Antonio PROHIAS.
Antonio PROHIAS was Cuban. Cartoonist laureate, made some cartoons of the dictator Fulgencio Batista, which earned him some problems. When Castro took power in 59 praised the work of PROHIAS. But we know cartoonists. Soon Fidel, now the subject of cartoons, began to consider PROHIAS non grateful.
Three days before the closing of the last free newspaper of Cuba, PROHIAS left for the United States.
He spoke no English. Perhaps for this reason created the Spies dumb. He took the first cartoons to MAD magazine and the rest is history.
PROHIAS was the first foreign employee of MAD Magazine. Two years later, another legend, the mexican Aragones was hired.
PROHIAS died in February 1998 but Spies still very much alive.
I found this on Youtube. Enjoy

terça-feira, novembro 01, 2011

DO FESTIVAL DE BESTEIRAS QUE ASSOLA A NAÇÃO

O Reinaldo da Veja já falou mas vale a pena dar uma olhada nesta reportagem da Gazeta de Maringá,vejam
Eu sou do tempo em que se queimavam gibis. Os padres católicos viam alguns demônios que nós não conseguíamos ver. Infelizmente nossos país iam na conversa medieval e as fogueiras eram rotineiras em nossa vida.
Coisa parecida com os video games hoje em dia. A dificuldade de aceitar o que não se entende, não é? Por isto pensei que o demônio da vez era o video game e que os meus queridos quadrinhos estavam esquecidos. Ledo engano, o pessoal de uma universidade do Paraná, trouxe o perigo de volta. E nem originais foram porque repetiram um antigo ataque ao pobre do Pato Donald.
A estupidez, como se sabe, não tem limites.

sábado, outubro 15, 2011

BONECAS RUSSAS - AGOSTO DE 2007

Esta é uma postagem de 2007 de um filme pouco conhecido, representante do novo cinema francês e que gostei muito. Cedric usou a imagem das bonecas russas, aquelas que vem umas dentro das outras, para simbolizar as mulheres que se sucediam na vida do personagem, parecendo que ao fim de um amor já surge outro. Mas eu acho que esta imagem cabe muito bem ao atual e corrupto momento que passamos. A imprensa (Veja?) denuncia um ministro por corrupção, o ministro pede demissão ou é demitido e imediatamente, na edição da semana,  já temos novo escândalo, de outro ministro. Antonio Palocci (Casa Civil), Alfredo Nascimento (Transportes), Wagner Rossi (Agricultura), Pedro Novais (Turismo) e agora Orlando Silva (Esportes) que inclusive já havia mostrado suas garrinhas ao influenciar a FIFA em desclassificar o Rio Grande do Sul para a Copa das Confederações. Bem, ai vai então as Bonecas Russas até que alguém, não patrocinado pela Petrobrás, faça as Bonecas Brasileiras.

BONECAS RUSSAS
Fui traido pelo título nacional. Imaginava um filme sobre beldades russas mas a alusão é realmente às conhecidas bonecas russas em forma de ovo (matryoshka), aquelas que aparecem umas dentro das outras, numa sucessão que nunca se sabe quando vai terminar. O escritor e diretor Cédric Klapisch, usou esta figura para mostrar as indecisões de seu personagem, na crise dos 30 anos, quanto aos seus amores. Como ele vai saber qual será a mulher da sua vida. Ao final de cada romance é uma boneca que ele abre e acha outra boneca, outro romance. Qual será a última? O filme é uma continuação, com os mesmos personagens, de outro filme de Klapisch que vocês gostaram muito, O Albergue Espanhol. Cenas lindissimas de Paris e Londres com os truques visuais de edição que Klapisch já havia utilizado em Albergue Espanhol. Uma dica excelente para quem usa Lap Top em viagens. Viajando entre Paris e Londres, Londres e Paris, naquele trem velocissimo que passa debaixo do Canal da Mancha, Xavier (Romain Duris), o personagem principal, encerra-se no banheiro para carregar seu Lap Top na tomada para barbeador elétrico. Infelizmente não podemos praticar isto no Brasil da aviação aérea incompetente e das estradas esburacadas. Outra cena interessante para nós gauchos é que lá pelas tantas a ex-namorada de Xavier, Martine (Audrey Tautou) deixa a sua filhinha com ele por que vai participar do Forum Social em Porto Alegre. "-Precisamos combater a globalização".
Assistam este filme. Vale a pena. Mensagens positivas são sempre bem vindas e é muito bom ver o cinema frances voltar a ativa com estes jovens diretores.
Até a próxima postagem.