terça-feira, junho 10, 2008

ORFEU DA AMÉRICA


A VEJA desta semana traz uma estória interessante. Uma mulher vai ao cinema pela primeira vez. O filme a encanta. a música, os atores e principalmente o romance entre os dois principais personagens. A mulher é uma branca recem chegada aos Estados Unidos. O filme é ORFEU NEGRO. A VEJA conclui que Vinicius de Moraes, autor de Orfeu da Conceição, que serviu de base para o filme, é o toque mágico da estória que a revista se prepara para contar. O CINEMAN discorda. Não foi Vinicius, nem Tom Jobim e Luiz Bonfá. Foram Breno Mello e Marpessa Dawn, Orfeu e Eurydice, o casal que despertou a mulher branca para a raça negra. A VEJA dá a entender que ORFEU NEGRO mostra o amor de uma branca por um negro. Nada disso. Marpessa Dawn era lindissima e negra. Mas a nossa personagem em seguida conhece um negro, se apaixona, tem um filho, casa, separa e o filho agora é o candidato democrata a presidência dos Estados Unidos - Barac Obama.

2 comentários:

CINEMAN disse...

Li a Veja novamente e apesar da indução ela não diz que o romance no filme é de um negro e uma branca. Sorry

CINEMAN disse...

Existia uma expressão naquela época vinculada ao carnaval eu acho, que era " este fulano é do balaco baco". Balaco - Barac. Quem sabe está ai a origem do nome do Barac. Não temos o Valdisnei que se originou do Walt DisneY? Porque não Barac de Balaco? Quer dizer se a senhora da estória entendesse portugues poderiamos ter o candidato Balaco Obama.