quarta-feira, outubro 03, 2007

FILMES, TREINAMENTO E FUTEBOL


Não resisti em fazer mais este comentário sobre filmes e treinamento, incluindo agora o futebol.
Um dos melhores filmes que conheço para treinamentos sobre liderança e que eu já postei aqui, em detalhes, é o Almas em Chamas, de Henry King, com Gregory Peck no papel principal. Se vocês lembram, a história é sobre um esquadrão de bombardeiros que está passando por uma tremenda fase de azar. O comandante do grupo, adorado e admirado por seus comandados, atribui os inúmeros insucessos ao excesso de missões. Os homens estão trabalhando acima da capacidade de um ser humano. Ele não deixa de ter razão. Acontece que o comandante em chefe não concorda com este modelo e numa brevissima reunião o destitui sumariamente do comando colocando em seu lugar o Coronel Davemport (Gregory Peck). Davemport, de chegada, já impôe tremenda linha dura. Não existe mais o irmão mais velho, o chefe que assume os êrros dos subordinados, existe apenas o chefe, e um chefe muito duro que só pensa na tarefa. Relacionamento zero. Como já disse, vou utilizar este filme no treinamento que falei na postagem anterior mas pretendia relacionar com alguma situação mais atual. Quando procurava um caso interessante me ocorreu imediatamente o do meu time, o Internacional. No começo do ano, começou o campeonato gaúcho e o time titular foi para a serra, convalescer do campeonato mundial. Os meninos estavam muito cansados, disse a diretoria. Voltaram e foi um desastre. A mensagem da diretoria era clara. Não nos interessa este campeonato. É preferível poupar nossos craques. Agora, no campeonato que teoricamente interessava, o Nacional, o que se vê é um time muito próximo da zona de desclassificação, com um plantel de primeira, pago com ótimos salários e que quando perde, o técnico assume a culpa, a diretoria diz que a culpa foi do juiz, os jogadores dizem que foi azar e todo mundo fica acreditando nisto e se preparando para a próxima derrota. É Almas em Chamas puro. Nenhuma diferença. Acho que vou conseguir transmitir a mensagem sobre liderança com muita clareza. E a propósito, quem sabe não está mesmo faltando um Coronel Davemport no Beira-Rio?

3 comentários:

Prof Charles disse...

Gostei da semelhança. Hoje o Inter não ganhou mais uma. Desta vez contra o fortissimo Figueirense. De novo deu "azar", o juiz "roubou" um penalti, o Inter "dominou" o jogo etc.. Foi tudo isto e a imprensa elegeu Clemer o melhor do jogo e o zagueiro Sorondo o segundo melhor.

Anônimo disse...

Hoje, num jogo valendo seis pontos (para escapar do rebaixamento) o Inter ganhou do lanterninha do campeonato. E levou bola na trave, Renan fazendo defesas importantes. Tá feio. Chamem o Coronel Davemport.

Prof Charles disse...

Olha ai o Cineman profético. O Inter a um passo do rebaixamento (3 pontos), a diretoria desaparecida, os líderes do grupo brigando entre si e o coitado do treinador desculpando tudo. Pobre Nilmar quando deixarem ele jogar.