terça-feira, agosto 28, 2007

EXPOINTER E A PIRATARIA

Hoje estive na Expointer e duas coisas me chamaram a atenção. Uma foi a grande presença de jovens estudantes. Que ótimo, não? Os professores levando os alunos para terem contato com a pujança do nosso setor agropecuário e, talvez, fazer brotar algumas vocações de agronomos e veterinários. Nada disto. O que vi foi uma bagunça homérica. Um grande happenning. Nenhum professor. Parece que o projeto educacional é levar a garotada para lá e deixá-los por conta - virem-se meninos. E eles se viram. Não vou ao extremo de achar que deveriam ser proibidas estas excursões gratuitas de estudantes à Expointer mas que os professores devem estar presentes e ter uma programação mínima de trabalho, certamente sim. Mas não tenho muita esperança que isto possa a vir acontecer. A segunda coisa que me chamou a atenção e esta ligada ao nosso negócio - cinema, foi a quantidade de bancas vendendo fitas piratas na parte de fora da exposição. Perguntei ao dono de uma banca de pastel quem dava a concessão para explorar aquela área. É a prefeitura de Esteio. Que belo exemplo. A prefeitura permitindo, permitindo - não, autorizando que se comercialize pirataria. Mas esta é a nova norma não é? Com tudo que anda por aí vou reclamar de estudante fazendo barulho e fita pirata? Deixa para lá.
Na próxima postagem - só cinema.

3 comentários:

Pobre Pampa disse...

Opa! vou lá procurar "Estranho Amor"!!!

CINEMAN disse...

Este não tem. Mas no Paris Cinema e Café tu encontras uma cópia em VHS que não foi recolhida pela Xuxa.

CINEMAN disse...

Hoje estive na Expointer novamente e colhi alguns comentários sobre a festa estudantil. O maior número de atendimentos médicos no local foi de meninas em alto estado alcólico, algumas em coma etílica. Quanto aos piratas continuam lá é claro.