quarta-feira, abril 11, 2007

A ARVORE DOS TAMANCOS (L´albero degli zoccoli)



O filme A Arvore dos Tamancos é uma preciosidade. Eu conheço Ermanno Olmi, diretor de A Árvore dos Tamancos, por um de seus filmes mais antigos - O Posto (Il Posto) , realizado em 1961 e que foi lançado no Brasil apenas em VHS. É um filme muito dificil de encontrar nas locadoras. Não preciso dizer, é claro, que no Paris Cinema e Café .... O Posto relata as peripécias de um jovem que chega a Milão na busca de um emprego. O momento é a Itália do pós guerra começando a ressurgir do caos. O filme é quase didático acompanhando nosso jovem na sua entrevista de emprego, nas primeiras tarefas, no encontro com o amor e ai por diante. O Posto e A Árvore dos Tamancos seguem os preceitos do neo-realismo e, principalmente o último, realizado em 1979, deve ser uma dos últimas obras filiadas à esta corrente. Em A Árvore dos Tamancos não existem atores profissionais. O filme foi feito exclusivamente com camponeses do norte da Itália. A época - inicio do século XX. Com precisão e delicadeza vai sendo nos apresentada aos poucos a vida dos camponeses naqueles tempos dificeis. O sistema de produção era muito simples - um dono de terras e de tudo o que estivesse sobre elas, construções, animais, árvores e o grupo de camponeses que faziam todo o trabalho agrícola. A repartição dos ganhos - dois terços de tudo o que fosse produzido ia para o dono das terras o resto para os camponeses. Feudalismo puro. No filme são quatro familias que moram no mesmo agrupamento de casas e cujo dia a dia é apresentado detalhadamente. Como convém a agricultura o período abordado é de um ano completo, onde vamos vendo as estações se sucedendo e as atividades agrícolas correspondentes à cada uma. Apesar das estórias paralelas serem vigorosas o ponto central é um garoto que mostra alguns pendores intelectuais e o padre da vila convence o pai do garoto, a liberar a mão de obra necessária, para que ele vá estudar. E nada é simples. A escola fica a 6 km de distãncia. E ida e volta a pé. Um ano de estrada destroe o único calçado do menino, um tamanco, e o pai, sensibilizado, procura por uma solução. Parece fácil mas a miséria em que vivem não torna nada fácil. A madeira é rara e um novo tamanco não está ao alcance da familia. O pai produz sua solução que dá o nome ao filme e que acaba provocando a parte mais dramática do mesmo. O filme, em suas tres horas, que não são longas, tem um conjunto de cenas brilhantes. A igreja está sempre presente. O catolicismo é forte naquele grupo de camponeses. E é necessário. É isto que segura aquela situação de exploração e dependência. As familia unidas debulhando milho e cantando canções italianas mostram que a felicidade pode ser encontrada nas situações mais difíceis. Numa das familias, o avô procura produzir tomates fora de época para poder obter um preço melhor. E faz escondido de todo mundo. Instintivamente, baseado apenas em sua observação, ele encontra soluções agronômicas corretas. Os diálogos do avô com sua neta , sua cumplice neste trabalho, explicando o que está fazendo e porque o tomate vai produzir mais cedo são maravilhosos. A viagem de lua de mel de dois camponeses à Milão mostram muito rapidamente os conflitos que estão ocorrendo nos centros urbanos. Não existe nenhum discurso político no filme. O casal só evita os policiais e não é influenciado pelo que está ocorrendo. O filme foi apresentado pela crítica como politicamente de esquerda, com uma visão comunista. Não vi nada disto. É um belo filme que mostra com realismo e com imagens belissimas a vida dura dos camponeses e a injustiça que permeia todo o filme. Recomendo para todos. Vocês não podem deixar de ver.
Até a próxima postagem.
TRAILER DE A ARVORE DOS TAMANCOS


10 comentários:

Anônimo disse...

uma beleza o filme

Anônimo disse...

O filme é lindo, mas não se pode falar que viviam num feudalismo puro. Precisa estudar mais antes de se pronunciar tal besteira !!!

CINEMAN disse...

Meu caro anônimo, que bom que você gostou do filme. Não costumo responder as críticas no blog. Cada um tem direito de dizer o que quizer. Como percebi, no entanto, que o caro anônimo estava fazendo uma critica construtiva, quero salientar que quando escrevi feudalismo puro estava me referindo ao sistema de produção representado no filme que tem todos os ingredientes de um sistema feudal. Independente do nome que se dê são servos trabalhando por 1/3 do que produzem para um senhor de terras.

Anônimo disse...

feudalismo não tem nada a ver com sistema de produção, tanto mais que a propriedades feudais da idade média eram auto-suficientes, o contrário da propriedade com economia de exportação (o caso na itália)..

feudalismo refere-se ao sistema político de cessão de terras a vassalos, nem vou me estender nesse ponto pq tem muitos detalhes

ta faltando estudar um pouco mesmo

Prof. Charles disse...

Mon dieu

Godô disse...

Estava fazendo uma pesquisa sobre a árvore dos tamancos, coloquei no Google e a primeira que me apareceu foi o blog do Cineman. Gostei muito. Não entendi muito esta discussão do feudalismo, mas entendi o que o Cineman quiz dizer. É realmente um grande filme e os comentários me ajudaram muito num trabalho que fiz.

Ana Lú disse...

O filme é maravilhoso. A discussão sobre feudalismo é dar importância a uma gota no meio de um oceano de belezA

Anônimo disse...

olá! como faço para baixar este filme? não vi nenhum link para fazer o download. Obrigada,Renata.

Anônimo disse...

O filme é uma preciosidade, muito bom. Apenas fico chocado com a intrasigência das pessoas, nossa que falta de sensibilidade do dito anônimo.

jupero disse...

OI...ouvi um comentário sobre o filme "A arvore dos tamancos" num grupo de estudo e, fui procurar o filme para ver...realmente é maravilhoso as cenas são fortes, a fotografia belíssima. Retrata muito bem a vida dos camponeses da época sendo explorados pelos senhores da terra. Obrigado pela oportunidade de relembrar o filme, o diretor, a história.