quarta-feira, março 23, 2011

MORRO DOS CONVENTOS E MEIA NOITE

Acho que a última vez que vim a Morro dos Conventos, em Araranguá, Santa Catarina, foi há uns 40 anos. Morro dos Conventos era a praia mais perto para quem morava no eixo Erechim, Passo Fundo, Lagoa Vermelha, Vacaria. Vinha-se pelos Aparados da Serra, o que por si só, já valia a viagem.
Hoje, de Porto Alegre, já dá para vir pela BR 101 e fugir dos pardais arrecadadores e corruptos da Estrada do Mar. Está quase toda duplicada. Falta apenas uns 40 km. Duas horas e meia de viagem, no máximo. E o que é o Meia Noite? Antes de vir eu havia passado por um sebo de revistas e comprei um Meia Noite de agosto de 1960. O Meia Noite era uma revista de história policiais. Não era em quadrinhos. Na capa a história em destaque é do Santo, de Leslie Charteris. E interessante, marcou o inicio do império do Roberto Marinho. Foi a leitura depois de um passeio pela praia a pé e de jipe e pelo Farol. Deixei para hoje as dunas, infelizmente só a pé. Na leitura chamou-me a atenção uma reportagem - o Meia Noite tinha histórias veridicas - sobre entorpecentes. A revista é de 1960, nesta época os jovens estavam as voltas com o álcool. Alguns amigos que eu tinha nas vilas de Pelotas já falavam em maconha mas ainda não tinha chegado na classe média. Lança perfume era para jogar nas gurias. O assunto da reportagem era heroina e, engraçado, destacando o vicio nas mulheres. O título é Drogas, Damas e Morte e o sub-título - "Algumas pequenas chegam a matar para satisfazer sua necessidade invencivel de saciar o vicio. Outras enganam, roubam, vendem-se ou são mortas." A reportagem é bem interessante pois mostra o que já representava nos Estados Unidos, no final da década de 40, o vicio da heroina. Tem preciosidades na reportagem, como esta: " Por cinco dólares, na China Vermelha, um contrabandista pode comprar uma onça de heroína que, convenientemente dissolvida, se vende nos Estados Unidos por 8.000 dólares." E esta pérola :"Qual a solução? Deve o governo, como os chineses fizeram há vinte anos, tentar destruir todos os viciados reconhecidos e assim eliminar o mercado consumidor dos entorpecentes?" E outra igual: "Deverão todos os viciados ser condenados a prisão perpétua?" E no meio, uma solução que o Gabeira ainda defende: "Deve o governo passar a controlar a venda dos entorpecentes, por preços sensivelmente inferiores aos dos traficantes?" Tem outras do mesmo nível. Uma história sobre um hospital de tratamento de viciados e o que aconteceu lá é muito interessante mas eu vou deixar para outra postagem. Fica o conselho - Sempre é interessante garimpar algum livro ou resvista num sebo. É baratinho e diversão garantida.
Até a próxima postagem.
Obs. Vale ainda mais a penas visitar Morro dos Conventos.

2 comentários:

PoPa disse...

E os conventos? Onde estão os conventos? Freiras são um fetiche para o PoPa, que estudou em colégio católico e ficava imaginando o que as freiras faziam nas clausuras, local inatingível pelos mortais comuns...

CINEMAN disse...

Chegastes a estudar no Pao dos Pobres de Santo Antonio? Pensei que tinha sido só eu. E a ordem era americana, o que talvez intensificasse a fantasia.